Presidente da ANEAB volta atrás e nega denúncia de manipulação de resultados no Rio de Janeiro

Mendes afirma que advogado exagerou no teor da denúncia que atinge o presidente da Coaf-RJ e 13 árbitros

Um dia após vir a público a ação movida pela ANEAB (Associação Nacional dos Ex Árbitros de Futebol do Brasil) contra a Coaf-RJ, o presidente da entidade, Marçal Mendes, declarou ao “O Globo”, que o advogado contratado para mover a ação exagerou nas acusações.

A ação movida pelo advogado Diego Mendes, contratado para representar a ANEAB, aponta um esquema da Coaf-RJ, comandada por Jorge Rabello, para ter controle absoluto sobre as arbitragens no Rio de Janeiro, assim como inclui treze árbitros no esquema, dentre os quais, Wagner do Nascimento Magalhães, árbitro do Fla-Flu decisivo de 2017, que praticamente decidiu o título para o Flamengo ao deixar de marcar falta escandalosa de Réver em Henrique no lance do gol de empate rubro-negro, marcado por Guerrero.Divulgação

Segundo Marçal Mendes, o advogado se equivocou no teor da ação ao sugerir que os árbitros pudessem fabricar resultados.

“Eu nunca teria dúvida quanto ao que os árbitros fazem dentro do certame. A ação era para apurar o que acontece fora dele. Conheço a origem do Wagner do Nascimento Magalhães. É um árbitro Fifa, apita jogos da Conmebol, sei da honestidade deles”, falou o dirigente.

Mendes afirmou, ainda, que o advogado entrou com a ação sem que a entidade tivesse conhecimento do teor da mesma. Na versão do dirigente, a suspeita a ser investigada, na visão da entidade, é a manipulação do sorteio da escala de árbitros, sem que a reportagem explicasse qual o propósito de tal manipulação.

Associação denuncia esquema de manipulação de arbitragem no Carioca

Siga o melhor site de notícias do Fluminense por meio da nossa página no Facebook

Por: Marcelo Savioli às 11:44
Foto 1: Jorge Rabello, presidente da Coaf-RJ
Foto 2 e 3: Trecho da peça de acusação contra a Coaf-RJ (UOL)
2019-04-10T12:40:30+00:00 abril 10th, 2019|

Deixar Um Comentário