Por que o Fluminense tem R$ 15 milhões de superávit operacional e mesmo assim atrasa pagamento das obrigações?

Entenda o que se passa com as finanças do clube e quem é o vilão que pressiona, sem dar tréguas, o fluxo de caixa
O torcedor tem sérias dificuldades de entender, e não é para menos. O Fluminense terminou o primeiro semestre com superávit operacional de R$ 15 milhões. Isso significa que o clube deveria ter chegado ao dia 1 de julho com R$ 15 milhões em caixa.
A verdade, porém, está longe de ser assim tão dourada. Esse superávit de caixa de R$15 milhões mostra que o clube vem adotando excelência no trato do exercício financeiro, arrecadando mais do que gasta. O problema é que esse superávit tende a ser engolido pela dívida de curto prazo.
Um bom exemplo disso é o que aconteceu no princípio do ano. O Fluminense tinha uma previsão orçamentária de R$ 10 milhões de superávit. Uma decisão da Justiça, no entanto, virou o jogo contra o Tricolor. Com relação ao caso Wellington Nem, ordenou que o Fluminense fosse debitado em 15% de suas receitas até o montante de aproximadamente R$ 27 milhões em depósitos judiciais relacionados ao caso Wellington Nem. Com isso, o orçamento tricolor ficou deficitário em R$ 17 milhões.
Em razão disso, o Fluminense passou a ter a necessidade de gerar mais receitas extraordinárias para cobrir o déficit orçamentário. O clube já conseguiu esse dinheiro só com a venda de Richarlison ao Everton. Fora as premiações da Sul-Americana e as outras vendas cujos valores ainda não foram recebidos. O Fluminense ainda tem quase R$ 30 milhões a receber em transferências, sem contar o caso Diego Souza, que envolve disputa de R$ 5 milhões, que devem ir para os cofres tricolores.
Diante disso, espanta o noticiário dando conta de que o Fluminense estaria indo para um mês de atraso salarial e dois de direitos de imagem, fora as notícias de credores cobrando judicialmente acordos não honrados pelo clube. Esse problema é produto das dívidas e dos próprios acordos feitos pelo clube para o pagamento das mesmas, que pressionam o caixa.
Em resumo, o problema de atraso de salários e direitos de imagem será resolvido tão logo essas novas receitas com transferência entrem no caixa, mas a dívida seguirá pressionando o clube em 2019 se não for buscada uma decisão que seja definitiva paa equacionar o imenso passivo do clube.
2019-02-27T17:31:35+00:00 agosto 29th, 2018|

Deixar Um Comentário