Marcelo Oliveira entende que visão do jogo teria sido positiva se a bola houvesse entrado

"O gol é a essência do jogo", analisa treinador, que viu boa atuação do Flu
Resultado e performance são variáveis que nem sempre andam juntas. O divórcio entre uma e outra foi mais ou menos o conteúdo entregue à plateia na noite de ontem no Maracanã.
O Fluminense pressionou, criou oportunidades, mas a bola não entrou. A impressão que fica é de que a equipe fez uma má partida. Na opinião de Marcelo Oliveira, uma impressão que não corresponde de todo à realidade.
– Se a gente tivesse feito um gol, e tivemos chances, teria sido bom. Apertamos o adversário, jogamos pelos lados, criamos, cruzamos, jogamos por dentro, mas o gol é a essência do jogo. Um gol teria modificado o panorama, pois o Vitória sairia para o jogo, que ficaria mais técnico. Verdade que não fomos felizes e, talvez, tenha faltado competência para para marcar o gol.

Foto: Mailson Santana (Fluminense Football Club)
O Fluminense, ao contrário de outras partidas, apresentou um volume ofensivo interessante, tanto na recuperação da bola quanto na exploração de todas as possibilidades ofensivas, provável produto da profusão de atacantes em campo, embora Luciano tenha mais atuado como um meia, tarefa na qual, na opinião do treinador, saiu-se bem.
– Ele pode jogar como jogou. Tem chute, lançamento. Vem fazendo bons treinos e foi escalado. Imaginamos que o Vitória iria atuar bem fechado. Usamos o Luciano para armar, agregando a capacidade de finalização, e os dois atacantes pelo lado. Atacamos mais pelo lado direito com a boa atuação do Léo. Perdemos oportunidade de pontuar em casa. Estou satisfeito com o rendimento, mas não com o resultado. Acho que é um pouco a ansiedade. As jogadas foram criadas. O futebol, por vezes, é assim.
Embora reconhecendo a capacidade de Pedro, ausente por contusão, Marcelo preferiu elogiar o trabalho de Kayke.
– Não adianta a gente se lamentar. O Pedro vivia grande fase e não por acaso foi para a Seleção. Era o artilheiro do campeonato. Faz falta. Agora, como técnico, tenho que valorizar quem entra. Eu confio no Kayke, no Júnior Dutra e no Pablo. O Kayke era a opção para atuar hoje. Ele está se adaptando, treina com empenho e está tentando entrar em forma.
O Fluminense terá três dias para trabalhar a ansiedade. No domingo, o Flu tem clássico com o Botafogo no Maracanã e precisa da vitória para pelo menos se posicionar a uma distância mais segura da zona de rebaixamento, que é, ao final da 23ª rodada, de cinco pontos.
2019-02-27T13:08:38+00:00 setembro 7th, 2018|

Deixar Um Comentário