Em FlaxFlu sempre vence o Sobrenatural

Crédito: BP Filmes
O Flamengo tá acostumado a enfrentar times que o temem. Não é pra menos, já que montou um elenco cheio de estrelas, com os melhores jogadores das últimas temporadas do futebol brasileiro. No imaginário de muitos adversários do Rubro-Negro, se precaver e definir a partida em um contra-ataque é a melhor opção, mas não para Fernando Diniz.
O Fluminense de Fernando Diniz é arrojado, bota a bola no chão, toca com tranquilidade que apavora o torcedor tricolor, mas sabe o que está fazendo. Jogou um futebol tão convincente, que até o empate não teria um sabor amargo. Entretanto, Fla-Flu só se define no apito final.
Em dia de Fla-Flu em que a folha salarial do Flamengo é muito superior a do Fluminense, o deboche começa cedo. Nas ruas, os flamenguistas desfilam seu orgulho e sua pretensão pela vitória. Pensam de véspera no Flamengo e Vasco do domingo e já preparam o seu grito de “vice de novo”. Só esquecem de que há um Fluminense no caminho, sempre o Fluminense no caminho.
No entanto, amigos. Fla-Flu não se define pela quantidade de craques no elenco, não se define por quem tem mais torcedores no Maracanã, muito menos antes do apito final. Fla-Flu não se define pelas obviedades. O FlaxFlu se define pelo sobrenatural.
E mais uma vez no final, como Assis, como Renato, como tem que ser o Fluminense. Renasceu de onde se menos esperava para calar aquela prepotente multidão e mais uma vez ensina a lição: Em Fla-Flu não se comemora antes da hora.
2019-03-21T10:44:54+00:00 fevereiro 15th, 2019|

Deixar Um Comentário