É VIÁVEL? Dividindo administração do Maracanã com  Fla, Flu teria despesa média de R$ 775 mil por jogo

Valor inclui rateio do custo de manutenção do estádio, que é, atualmente, de R$ 3 milhões mensais

 

Não é por outra razão que o Consórcio Maracanã amargou prejuízos em todos os anos em que esteve à frente da administração do estádio. Apenas para arcar com as despesas de manutenção, o consórcio tem que desembolsar R$ 3 milhões mensais. Por isso, a relação com os clubes adquiriu características de um verdadeiro cabo de guerra, com cada parte querendo abocanhar a maior fatia possível da receita com bilheteria e tentar transformar espetáculo em lucro.

Com a saída do Consórcio da administração do estádio, volta à tona a ideia de Fluminense e Flamengo assumirem a administração do estádio. Para os clubes, seria a oportunidade de se livrar do aluguel e se apropriar de todas as fontes de receitas do estádio, como as decorrentes da venda de bebidas e alimentos, além da cessão de camarotes e aluguel de mídias publicitárias.

Para saber se isso é viável, os clubes se debruçam sobre as contas. Afinal, Flu e Fla teriam que dividir o custo de manutenção, o que daria R$ 1,5 milhão mensal para cada. Projetando uma média de quatro jogos mensais, o custo por partida seria de R$ 375 mil. Além desse custo, há também o relativo à operação do estádio em dias de jogos, fora os custos específicos de cada partida, como impostos, confecção de ingressos e outros.

Flu já apresentou proposta

Historicamente, o Fluminense, livre do aluguel pago ao Consórcio, que atualmente é de R$ 100 mil, tem uma despesa média por jogo na casa dos R$ 400 mil, pensando em públicos na casa das 20 a 30 mil pessoas no estádio. Desse modo, é possível prever que o clube teria uma despesa média por partida, jogando quatro vezes por mês no Maracanã, de aproximadamente R$ 775 mil.

Para garantir o lucro com o estádio, o clube precisaria arrecadar, por partida, esse mesmo valor. Para obter esse resultado, é preciso somar as receitas com bilheteria às demais, como cessão de camarotes, aluguel de mídias publicitárias, bares e lanchonetes.

Há ainda um outro fator que pode ser levado em consideração, que se relaciona com um eventual aumento da base de sócios torcedores, que geram, atualmente, uma receita anual de apenas R$ 4 milhões. Uma outra possível fonte de receitas seria o aluguel do estádio para eventos.

O Fluminense já apresentou ao governo do estado uma proposta individual para administrar o estádio. O Flamengo também apresentou sua intenção de fazer a gestão do Maracanã, mas de forma provisória. É o caso de os dois clubes sentarem para conversar.

 

Por: Marcelo Savioli às 11:08

 

2019-03-29T16:12:07+00:00 março 29th, 2019|

Deixar Um Comentário