Das finanças à política, de Diniz a Pedro, os dez fatores chave para o Flu obter sucesso no Campeonato Brasileiro

Tricolor estreia dia 28 de abril, contra o Goiás, no Maracanã

O Fluminense estreia no Campeonato Brasileiro no dia 28 de abril. O Goiás será o adversário e o palco o Maracanã, possivelmente a primeira partida no estádio após o clube assumir seu controle em parceria com o Flamengo.

Até dezembro, será uma longa caminhada, cujo sucesso depende de dez fatores chave. Caso convirjam, o Flu, de Fernando Diniz, que já mostrou ser capaz de competir, torna-se um candidato real à disputa das primeiras posições.

 

Finanças

A grande dor de cabeça do Fluminense é a questão financeira. Com o fluxo de caixa asfixiado pelas dívidas de curto prazo, o clube vive às voltas com os atrasos de salário.

O presidente Pedro Abad busca uma solução definitiva para o problema, que seria um aporte financeiro superior a R$ 200 milhões, com pagamento no longo prazo, envolvendo, como garantia, a venda de atletas.

Para pensar no título brasileiro, o Fluminense precisa se livrar da dependência das transferências de atletas, que pode fragilizar o elenco no decorrer do campeonato.

 

Fernando Diniz

Diniz é fator chave para o sucesso tricolor. Já provou que pode transformar o Fluminense num time competitivo e que proporciona bons espetáculos.

O desafio do treinador será explorar melhor o elenco que tem e encontrar uma formação titular consistente. Além disso, terá que administrar uma rotina draconiana de jogos pelo Campeonato Brasileiro, Sul-Americana e Copa do Brasil, o que requer a utilização inteligente de todo o elenco, algo que não foi sua marca até aqui.

 

Pedro

Pedro é fator chave para o sucesso tricolor. Recuperado da lesão que sofreu em agosto do ano passado, Pedro tem cheiro de gol e sua presença faz o Fluminense dar um grande salto em qualidade. O problema é saber por quanto tempo permanecerá na equipe. O equacionamento das dívidas de curto prazo seria uma forma de reter o craque por mais tempo.

Mesmo que seja vendido, no entanto, pode garantir as finanças em 2019 e até gerar receita suficiente para reforçar o elenco. O receio é o histórico tricolor de vender muito mal seus atletas.

 

Meio de campo

O Fluminense contratou Léo Artur, destaque da Ferroviária, que tem características não encontradas no atual meio de campo do Fluminense. Jogadores como Luis Fernando e Zé Ricardo, não aproveitados no Estadual, podem ter mais chances.

O Flu deve começar o Campeonato Brasileiro com todas as peças para o setor disponíveis. Caio Henrique é uma opção importante. Daniel, Paulo Henrique Ganso, Bruno Silva, Allan, Aírton e Léo Arthur entregam bom material técnico para a formação de um meio de campo de qualidade. O setor tem sido o ponto fraco do time nos últimos jogos.

 

Torcida

A torcida do Fluminense, como de hábito, fez pouco caso do Campeonato Estadual. A escandalosa derrota para o Flamengo em 2017, quando Réver fez falta clara em Henrique na partida decisiva, no lance que originou o gol do Flamengo, acabou com a paciência da torcida tricolor com a competição.

Só que agora acabou. O Fluminense precisará da torcida presente, em massa, em todos os seus jogos, seja por questões esportivas ou econômicas. É hora de todos virarem sócios e assumirem que o futuro do clube está relacionado à atitude de cada um.

Política

Resultado de imagem para Pedro Abad

A política é um problema a ser superado. A antecipação das eleições pode acarretar uma mudança de comando no meio da temporada, mas o pior de tudo é o processo eleitoral transcorrendo de forma paralela às competições, o que pode trazer instabilidade ao clube, sobretudo em decorrência do pesado jogo político que marcou a gestão Abad.

A melhor forma de neutralizar os efeitos da política é produzir boas notícias dentro de campo.

 

Maracanã

O Maracanã surge como fator chave econômico. O Fluminense assumiu a administração do complexo esportivo e precisará gerar receitas para tornar o negócio viável.

É um desafio monumental para a gestão Abad, mas que pode servir para engajar a torcida e unir o clube. Fluminense e Flamengo estão criando uma empresa para fazer a gestão do estádio e a geração de receitas é fator chave para o sucesso.

 

Lateral esquerda

Desde que Mascarenhas se contundiu, Diniz tem problemas na lateral-esquerda. Marlon não parece contar com a confiança do treinador, que escalou Ezequiel e Caio Henrique na posição nos últimos jogos.

Aparentemente, a solução para o Tricolor é buscar um lateral-esquerdo para disputar a posição de titular.

 

Paulo Henrique Ganso

Ganso chegou ao Fluminense para dividir com Pedro o status de craque do time, mas, até aqui, não mostrou futebol que justificasse toda a expectativa em torno de sua contratação. Diniz terá que encontrar uma posição em que o craque possa desenvolver todo seu potencial e fazer a diferença nas partidas.

 

Everaldo

Everaldo tem sido um dos jogadores mais efetivos, uma espécie de desafogo. No Fla-Flu, teve papel importante no gol do Fluminense. O problema é que surgiu uma suposta proposta do Corinthians para tirá-lo do Fluminense. Mesmo com opção de compra, o Flu não incluiu cláusula de renovação automática. Em outras palavras, pode ficar com 50% dos direitos, mas sem o atleta.

Resultado de imagem para Everaldo Fluminense

O vínculo com o Fluminense se encerra em maio, mas o clube precisa definir a situação rapidamente, pois não seria sensato contar com um atleta que não estará no elenco.

Siga o melhor site de notícias do Fluminense por meio da nossa página no Facebook

Por: Marcelo Savioli às 11:33
Foto: Lucas Merçon (Fluminense Football Club)
2019-04-08T15:45:39+00:00 abril 8th, 2019|

Deixar Um Comentário