CASO EVERALDO – Flu pode ter 50% dos direitos e, ao mesmo tempo, ficar sem o atleta

Tricolor tem preferência de compra, mas não tem cláusula de renovação automática

 

Surgiu, nas últimas horas, sobre o caso Everaldo, a notícia de que o Velo Clube pode vendê-lo para o Corinthians por R$ 2,5 milhões. A torcida tricolor se pergunta se isso é possível com o Fluminense tendo com o Velo Clube uma cláusula de prioridade de compra do atleta até 17 de maio. A resposta é que sim, o Corinthians pode comprar Everaldo ao Velo Clube.

A explicação não é simples, mas vale tentar entender. O Fluminense contratou Everaldo por empréstimo ao Velo Clube até 17 de maio. O clube tem a opção de compra de 50% dos seus direitos até aquela data. Esse é um direito inalienável do Fluminense. Ao exercer a prioridade de compra, adquirirá 50% dos direitos de Everaldo, independente de qual seja seu destino.

O problema é que o Fluminense não incluiu na transação uma cláusula de renovação automática do contrato para o caso de exercer o direito de compra. Com isso, a partir de 18 de maio, Everaldo, mesmo que o Fluminense adquira 50% dos seus direitos econômicos, será atleta do Velo Clube, com quem tem contrato até o final de 2020. Caso isso aconteça, o Velo Clube será dono de 40% dos direitos de Everaldo, o Fluminense de 50% e o São Bento de 10%.

Nesse caso, o Corinthians pode comprar 50% dos direitos do atacante. Se a compra for concretizada no valor de R$ 2,5 milhões, como noticiado pela mídia, o Velo Clube ficará com R$ 2 milhões e o São Bento com R$ 500 mil.

 

E o Fluminense?

Caso exerça o direito de compra, o Fluminense, mesmo que o jogador se transfira para o Corinthians, terá 50% dos seus direitos econômicos. Em outras palavras, caso o Corinthians o venda por R$ 40 milhões amanhã, o Fluminense ficará com 50%.

O que aproxima Everaldo do Fluminense é que o Velo Clube, ao vender Everaldo para o Tricolor, ganhará R$ 1,6 milhão e continuará proprietário de 50% do atleta, ganhando numa venda futura. Ao vender sua parte para o Corinthians, caso o Fluminense exerça o direito de compra, não terá mais nenhum direito. Em outras palavras, pode perder muito dinheiro numa futura venda.

 

Everaldo pode ir de investimento esportivo a mero ativo financeiro

Em resumo, Fluminense e Velo Clube estão no mesmo barco. Para que o imbróglio seja resolvido, basta que o Fluminense alinhave um novo contrato com Everaldo, que terá validade a partir de 18 de maio. O problema é o assédio de outros clubes, oferecendo salários mais altos.

Mesmo contra a vontade do Velo Clube, a partir do dia 18 de maio, qualquer clube pode depositar a multa rescisória, cujo valor é desconhecido, e ficar com o atleta.  Nesse caso, tendo exercido a opção de compra, o Fluminense ficaria com 50% de Everaldo, porém sem o seu futebol. Everaldo se transformaria num mero, porém valioso, ativo financeiro para o Tricolor.

 

Marcelo Savioli às 09:41
Foto: Lucas Marçon (Fluminense Football Club)
2019-03-27T12:27:42+00:00 março 27th, 2019|

Deixar Um Comentário